Locação

Aumento da migração durante a pandemia aquece mercado no interior


Busca por qualidade de vida, segurança e mobilidade foram os principais motivos que impulsionaram o setor
   Há demanda por casas maiores, com quintal para as crianças e animais, em
   cidades do interior com acesso fácil, boas escolas e estrutura de saúde

Durante a pandemia, houve aumento da busca por um estilo de vida mais tranquilo, incrementando o mercado imobiliário no interior paulista. Essa foi a conclusão dos participantes da Live Secovi-SP, dia 10 de junho, iniciativa da vice-presidência de Gestão Patrimonial e Locação.

“As pessoas optaram por morar em cidades em um raio de até 100 quilômetros da capital paulista”, atestou o vice-presidente do Interior do Secovi-SP, Frederico Marcondes César, que atribuiu esse movimento à busca por qualidade de vida, acesso fácil a rodovias e bons serviços oferecidos na maioria das cidades. “Mobilidade, vida segura e boas estradas contribuíram para esse crescimento.”

Segundo ele, nos últimos 40 anos praticamente dobrou a população do interior: de 16,2 milhões para 32 milhões habitantes. O vice-presidente disse ainda que cresceu o número de loteamentos. “Entre 2012 e 2019, foram licenciados 550 loteamentos por ano em cidades do entorno da Capital”, informou. Carolina Burg, diretora da vice-presidência e que fez a mediação dos debates, salientou que essa migração para cidades do Interior também ocorreu em alguns Estados americanos.

Leonardo Paz, CEO do ImovelWeb, apresentou dados mostrando aumento das buscas no portal. “Em algumas cidades, como São José dos Campos, Bragança Paulista, Sorocaba, a busca duplicou”, revelou Paz, mencionando que a maior parte procura imóveis para locação, motivada pela incerteza econômica caracterizada em períodos de crise.

“Percebemos um crescimento por busca de localidades do interior em todo Brasil, mas em São Paulo foi maior. A audiência cresceu 20% neste período de pandemia, pois as pessoas estão mais conectadas”, destacou, acrescentando que 50% dos clientes são da Capital, 40% da Grande São Paulo e 10% de outros Estados.  “Há grande demanda por casas maiores, com quintal para as crianças e animais, em cidades com acesso fácil, boas escolas e estrutura de saúde”, revelou o CEO do ImovelWeb.

Gustavo Coimbra Costa, sócio-diretor da Unique Group, disse que ocorreu uma transformação do mercado de trabalho, com ciclos de carreira mais curtos. “Esses profissionais foram para os grandes centros urbanos, onde estão as oportunidades”, disse o executivo da consultoria de Recursos Humanos.

Costa informou ainda que, nos últimos anos, houve um movimento de migração destes profissionais em busca de qualidade de vida. Segundo ele, neste momento de pandemia, aumentou essa ‘onda’ de interiorização. “O trabalho remoto impulsionou a ida para o Interior”, destacou, informando que, antes da pandemia, 30% dos executivos estavam dispostos a mudar de cidade e, agora, 50% manifestaram esse desejo.

Para Patrícia Hulle, da Alphaville Urbanismo, essa migração está sendo motivada por comportamentos como a busca por qualidade de vida, além da segurança. Segundo ela, a empresa lançou recentemente dois empreendimentos de segunda residência. “O mercado precisa adequar produtos que caibam no bolso, inclusive com a incorporação de home office e logística de entrega, por exemplo.”

Assista a íntegra da Live

Autor: Assessoria de Comunicação - Secovi-SP


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • Universidade Secovi-SP
  • Gentilezas Urbanas
  • Núcleo de Altos Temas