Institucional

Secovi-SP e sindicato de empregados do ABC assinam convenção coletiva de trabalho


Sindicato da Habitação celebra Convenção Coletiva de Trabalho com representante dos empregados em empresas de compra, venda, locação eadministração de imóveis residenciais, comerciais e mistos de Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André e São Bernardo do Campo
Amary: "negociação realizada em cenário econômico adverso foi desafiadora"

O Secovi-SP (Sindicato das Empresas de Compra, Venda, Locação e Administração de Imóveis Comerciais e Residenciais de São Paulo) celebrou nesta quarta-feira, dia 20/6, a Convenção Coletiva de Trabalho com o sindicato que representa a categoria dos empregados em empresas de compra, venda, locação e administração de imóveis residenciais, comerciais e mistos de Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André e São Bernardo do Campo.

Após prolongado diálogo entre as partes e considerando estudos jurídicos e econômicos envolvidos na negociação, chegou-se ao ponto de equilíbrio entre a reivindicação laboral e a proposta patronal, refletindo o momento econômico atual e contribuindo para a geração de empregos.

Primeira Convenção Coletiva de Trabalho firmada pelo Secovi-SP depois da entrada em vigor da reforma trabalhista, o documento agrega elementos de fundamental importância para a modernização das relações de trabalho.

“Ao considerar temas como o trabalho intermitente, banco de horas, assistência na rescisão do contrato de trabalho, entre outros, o acordo reflete o compromisso dos sindicatos laboral e patronal com a responsabilidade que a reforma trabalhista lhes atribuiu na regência das relações de trabalho pela prevalência do negociado sobre o legislado”, considera Karina Negreli, que coordena as negociações pelo Departamento Jurídico do Secovi-SP.

“A negociação realizada ainda em um cenário econômico adverso foi especialmente desafiadora, pois exigiu que as partes buscassem pontos de convergência e equilíbrio na construção de alternativas para que as relações de trabalho se mantenham saudáveis e sustentáveis, introduzindo alternativas capazes de gerar atividade econômica e emprego digno”, afirma Flavio Amary, presidente do Secovi-SP.

A entidade está em fase de conclusão de negociações com os sindicatos da categoria de vários outros municípios e, tão logo concluídas, serão divulgadas.

Reajustes – Os salários dos empregados abrangidos pela Convenção, com data-base em 1º de maio, terão reajuste calculado sobre os salários de 1º de maio de 2017, observando o que segue: salários acima do piso até R$ 5.500,00 terão reajuste de 1,69%; salários acima de R$ 5.500,01, o valor está fixado em R$ 92,95. Os pisos salariais passam a ser de R$ 1.057,85 para mensageiros e recepcionistas, e de R$ 1.287,26 para os demais empregados. O valor da cesta básica fica em R$ 216,67 e do prêmio permanência em R$ 23,71.

 

Autor: Assessoria de Comunicação - Secovi-SP


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • Universidade Secovi-SP
  • Gentilezas Urbanas
  • Núcleo de Altos Temas