Institucional

Como se tornar um influenciador digital


Durante Live Secovi-SP, especialista em transformação digital mostra as oportunidades das redes sociais para engajar assuntos do mercado imobiliário
Sandra Turchi deu várias dicas para ter as redes sociais como aliadas

Uma das principais referências em transformação digital (Internet das Coisas, Big Data), Sandra Turchi, CEO da Digitalents, participou de interessante e esclarecedora Live Secovi-SP na manhã do dia 11/5, coordenada por Carlos Meschini, diretor regional do Secovi-SP na Baixada Santista.

Sandra iniciou sua palestra definindo reputação digital e destacando a sua principal importância, que é manter a qualidade daquilo que “as pessoas falam quando não estamos presentes”.

Ela explicou a necessidade de as empresas e os profissionais entenderem que, atualmente, os diálogos com os consumidores de produtos e serviços acontecem nas plataformas digitais, onde a linguagem é própria, com mudança da gramática formal inclusive, e uso de imagens e emojis (figuras que substituem palavras e até mesmo frases). “A linguagem é cosmopolita, com uso de gírias. É preciso entender as mídias sociais e suas múltiplas linguagens”, destacou.

Alinguagem sofre grande influência das redes sociais

De acordo com dados apresentados por Sandra, em 2019, havia 150 milhões de usuários de redes sociais no Brasil. O YouTube ocupava – e ainda ocupa – o primeiro lugar em plataformas digitais, seguido por Facebook, WhatsApp e Instagram. “Temos de saber quais são essas mídias, para podermos nos comunicar melhor.”

A especialista deu algumas dicas de uso corporativo favorável, com vistas a resultados e engajamentos. Quem vai usar essas plataformas como ferramentas de trabalho deve estabelecer, inicialmente, objetivos e construir uma “persona” para a marca, seja um profissional liberal, um influenciador ou uma empresa. Depois, é necessário pensar nos focos e na criação de conteúdos para alimentar essas “personas”. Não se deve misturar perfis pessoais, privados, com conteúdo corporativo. As trocas e interações com o público tem de ser permanente e não se deve deletar mensagens negativas. “Elas devem ser respondidas com educação e conduzidas para uma conversa privada”, recomendou.

Ela disse, ainda, que é preciso criar, com planejamento, uma programação de postagens, que deve ser seguida e monitorada em cronograma, a fim de se manter a frequência de publicações.

Sandra sugeriu que profissionais sigam empresas de áreas de atuação diferentes, para buscar fontes de inspiração, e usem hashtags (#) que façam sentido ao conteúdo postado. “O ideal é criar umas cinco hashtags, por post, porque eles ajudam com pesquisa de conteúdo.”

De acordo com ela, os pilares da influência digital são: alcance (popularidade e número de seguidores), ressonância (periodicidade e constância das publicações) e relevância (criar autoridade dentro do segmento). Contudo, Sandra disse que somente o alcance não basta, e que é preciso criar relevância, para conquistar credibilidade. Além disso tudo, é necessário monitorar o engajamento das publicações, usar e-mail Marketing e ter um site responsivo.

Confira o conteúdo completo da Live Secovi-SP.

Autor: Assessoria de Comunicação - Secovi-SP


  • Ampliar
  • Câmara de Mediação Secovi-SP
  • Certificação Digital
  • Geosecovi
  • Milenium
  • PQE - Programa Qualificação Essencial
  • Rede Imobiliária Secovi
  • Revista Secovi
  • Secovi Novos Empreendedores
  • UniSecovi